Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘histórias bdsm’

Quando Rui propôs a Joana que fizessem exames médicos para poderem ter sexo sem preservativo, ela viu nisto a vontade dele de dar estabilidade à sua relação. Ficou contente mas não quis mostrar este agrado; e a cabra que havia nela fê-la perguntar:

– Porquê? Queres fazer-me algum menino, é?

Rui ignorou o sarcasmo:

– Se alguma vez te quiser fazer um menino, informo-te primeiro. Para já, o que quero é criar as bases para que haja uma confiança absoluta entre nós.

Joana não tinha nada contra fazerem análises, pelo contrário; a reacção que tivera viera-lhe duma vontade súbita de espicaçar Rui, e o facto de ele não se deixar espicaçar desarmou-a. Ficou ela de marcar a data para as análises, de preferência numa clínica onde poucas pessoas os conhecessem, e passaram a outros assuntos.

Joana viu nesta conversa uma para abordar uma questão em que andava a pensar:

– Posso perguntar-te uma coisa? O que querias tu dizer quando disseste à minha mãe e às amigas dela que da tua porta para dentro, só admitias uma escrava?

– Queria dizer isso mesmo – respondeu Rui. – Deixei-as pensar que aquilo era retórica para as calar, é claro, mas a ti digo-te que lhes estava a dizer a verdade sobre a minha orientação sexual.

– Não dás nada essa ideia – disse Joana.

– Não? Tens a certeza?

Joana corou, o que a fez zangar-se consigo mesma. Lembrou-se que nos primeiros dias da sua relação com Rui, ainda antes de o ter seduzido, ele lhe tinha dado a entender que não gostava muito de a ver de calças; e desde então ela passara a usar saias ou vestidos com cada vez maior frequência. Era a primeira vez que mudava a sua maneira de vestir por causa da vontade de um homem, ademais tão vagamente expressa. Quando se zangava consigo, Joana descarregava sempre noutra pessoa, e foi o que fez agora:

– Claro que tenho a certeza. Não te estou a ver a mandar numa mulher. Pelo contrário: até me parece que a minha mãe tem razão quando diz que te deixas dominar facilmente.

Rui sorriu:

– E tem razão, a tua mãe. Deixo-me dominar com a maior das facilidades quando o que está em jogo não me interessa. Com os mais fracos que eu, sou muito dócil: é uma ironia que me diverte. Mas também te quero fazer uma pergunta: que querias tu dizer quando confessaste à tua mãe que eras uma cabra e precisavas de dono? Também te devo dizer que não dás nada essa ideia.

– Como, não dou? Ainda há bocado…

– Ah, sim – disse Rui. – Há bocado, com efeito. Só tenho duas perguntas: porque diabo queres tu deixar de ser uma cabra, admitindo que o és? E se é isso que queres, porque diabo não o fazes sozinha? Para que precisas tu de um dono?

– E tu, para que diabo precisas tu duma escrava?

– Eu nunca disse que precisava duma escrava. Já precisei, já tive, e agora estou bem como estou. O que eu disse foi que só aceitava uma mulher em minha casa na qualidade de escrava; mas estou perfeitamente disposto a aceitar a alternativa mais provável, que é ficar sozinho.

Joana calou-se, olhando para baixo com os punhos cerrados. Como uma miúda birrenta, pensou Rui. Por fim, sem deixar de olhar para baixo, respondeu:

– Preciso de dono porque estou farta de lidar com homens que não respeito. Tu és o primeiro a quem respeito desde há muito tempo.

– Sim – sorriu Rui. – Ainda agora foste muito respeitosa para mim.

– Não é disso que se trata – disse Joana. – Não é por ser ocasionalmente sarcástica que preciso de dono: é porque sou mesmo uma cabra, e estou farta disso.

Rui ficou silencioso por tanto tempo que Joana pensou se não teria dito alguma coisa que o fizesse zangar. Mas disse, por fim:

– Olha, Joana. Há muitas espécies de dono, e nada garante que eu seja o dono de que precisas. Se alguma vez levar uma escrava para minha casa, nada garante que possas ser tu: podemos ter noções muito diferentes do que é uma escrava.

– Não me estou a oferecer como tua escrava – disse Joana.

– Nem eu como teu dono – disse Rui. – Pelo menos, ainda não. E pode ser que eu queira uma escrava já feita, e não uma a quem ainda seja preciso educar.

– E eras tu que me educavas?

– Dizes que és uma cabra, não dizes? Então, para continuar com metáforas de animais, terias que passar de cabra a cadela: isto seria uma educação. Seria também um esforço enorme e muito demorado, e eu teria de estar disposto a fazê-lo.

– Então não estás disposto.

– Posso vir a estar, mas teria de contar com a tua colaboração. Já não tenho idade para perder tempo com meninas que pensam que querem ser escravas.

Joana voltou um pouco atrás na conversa:

– Cadela, dizes tu? O que quer dizer isso, cadela?

– Quer dizer que quando eu te fizer sinal tens que vir com o rabo a abanar, mesmo que uns minutos antes eu to tenha feito pôr entre as pernas.

– Isso não vai ser nada fácil – disse Joana. – Nada fácil, mesmo.

– Não vai ser? – disse Rui – Já estás a pressupor que vamos tentar? Tem calma: primeiro vamos ver se a nossa relação resulta noutros planos, ao mesmo tempo que vemos se aquilo em que estamos a pensar é viável. Para já, vou-te dar três palavras para meditar, e um dia destes peço-te a tua reacção.

– Que palavras?

– Servir, obedecer, sofrer – disse Rui.

– Se é isso, posso dizer-te já…

– Não podes nada – disse Rui. – Podes dizer-me quando eu te perguntar.

Fizeram os exames médicos, esperaram pelos resultados, voltaram a fazê-los e esperaram de novo. Joana recomeçou a tomar a pílula. Começaram a ter relações sexuais sem preservativo, o que implicava já um primeiro compromisso, que era a fidelidade recíproca. Não se falou, porém, em viverem juntos. Veio o divórcio de Rui e resolveu-se a partilha dos bens, o que lhe permitiu remodelar uma casa que herdara, um pouco degradada e muito desconfortável: não o fizera antes para que a ex-mulher não pudesse dizer que o tinha feito com dinheiros comuns. Joana acompanhou esta remodelação, que foi completa: demolição de paredes internas, rearranjo das divisões, isolamento térmico e acústico, caixilharias novas, janelas com vidros duplos ou triplos, climatização, transformação em jardim do matagal nas traseiras.

A obra mais difícil foi na cave, onde o chão foi rebaixado um metro para aumentar a altura. Rui manteve as paredes em pedra tosca, mas revestiu o tecto com material isolante e instalou aquecimento a partir do soalho.

Joana, vendo que Rui não media despesas, perguntou à mãe:

– Como é que o Rui pode fazer aquelas obras todas com a pensão dele? Com a reforma antecipada, não pode ter ficado a receber muito.

– O Rui não depende da pensão – respondeu Arminda. – Com o que herdou, pode viver muito bem dos rendimentos.

Isto explicava uma decisão de Rui que Joana tinha considerado excêntrica: a de organizar a vida em função das temporadas de ópera do S. Carlos, do Scala, do Met, do Teatro del Liceo em Barcelona, do Covent Garden, do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, e de festivais como o de Glyndebourne e Bayreuth. Esta agenda incluía lugares tão remotos como Manaus ou Sidney e exigia bem mais que doze viagens por ano – o que chegava para não o deixar estupidificar. Comprava os bilhetes pela Internet com meses de antecedência, tal como as viagens e o alojamento.

– Compro sempre a dobrar – explicara. – Para o caso de ter companhia.

A companhia, embora ele não o dissesse expressamente, seria ela; se os afazeres profissionais não a deixassem ir, seria algum amigo ou amiga; ou em último caso iria ele sozinho, assumindo o prejuízo. Só uns dias depois desta conversa é que Joana notou que ele nem sequer tinha posto a hipótese de ela, podendo, não querer ir; e que ela própria também não a tinha levantado. Eis-me, portanto, a obedecer, concluiu. O curioso é que nunca era claro se o que ele lhe solicitava era uma sugestão, um pedido ou uma ordem; nem se a resposta dela era anuência ou obediência; mas era claro, em contrapartida, que Joana fazia tudo o que Rui queria como nunca fizera com ninguém. Servir, obedecer, sofrer, pensou. Sobre o obedecer, começava a estar elucidada; e, se quisesse ser honesta consigo própria, teria que reconhecer que também estava a aprender alguma coisa sobre o servir. Na cama, embora Rui lhe desse mais prazer do que qualquer outro homem lhe tinha dado, tornara-se óbvio desde o primeiro dia que o único prazer que contava era o dele; e ela, não só aceitara isto, como se sentira feliz por aceitá-lo. Restava o sofrer: sobre isto, Joana não fazia a menor ideia do que sentia, e não saberia responder se Rui a interrogasse.

Rui tinha erigido na cave duas grossas colunas de madeira, esculpidas com baixos-relevos eróticos.

– Mandei-as fazer na Índia – explicou.

E com efeito as imagens copiavam as dos templos hindus.

– Para que são as colunas? – perguntou Joana.

– Para amarrar uma mulher, por exemplo. Para a punir.

Joana deu uma volta lenta a cada uma das colunas, passando os dedos pela madeira esculpida.

– E pensas que serei eu essa mulher?

– Não faço ideia. Depende de alguma vez vivermos juntos ou não. Podes ser tu ou pode ser outra, mas continuo a dizer que o mais provável é não ser nenhuma. E enquanto andar contigo tenciono ser-te fiel.

Porque não lhe disse Joana, naquela altura que aquela mulher nunca seria ela? Porque se calou? Eis-me com o rabo entre as pernas, pensou; não demorou muito. Continuou a tocar aquelas imagens profusas de mulheres com os seios generosos e redondos e de homens com grandes falos erectos, unidos em todas as posições imagináveis; subiu as escadas com Rui; depois, ao caminharem em direcção ao carro, deixou que ele a abraçasse, e até se chegou mais a ele, sorrindo-lhe, e dizendo a si própria: e agora até estou com o rabo a abanar.

Esta visita à cave de Rui obrigou Joana a pensar na última das palavras que ele lhe tinha proposto para meditar: a palavra sofrer. Tratava-se aqui, como ela compreendia muito bem, de sofrimento físico provocado intencionalmente por outra pessoa. Nunca tivera, nem as tinha agora, fantasias sexuais com a ideia de ser punida fisicamente. Por outro lado, nunca partilhara a vertigem de pânico e revolta com que muitas mulheres encaravam a simples menção desta possibilidade. Teria medo, sim, da violência, do descontrolo; mas se estes elementos fossem retirados da equação, deixando isolada a dor física, verificava, com alguma surpresa, que era capaz de considerar friamente a hipótese de a sofrer.

Uma noite, quando estavam a fazer amor, Rui proibiu-a de ter orgsmo. Joana nunca tinha imaginado que esta ordem pudesse ser dada, e muito menos obedecida, mas deu por si a reprimir o orgasmo que se aproximava, e a conseguir evitá-lo por pouco. Surpreendente foi o prazer que teve nisto, que se prolongou pelo resto da noite e por todo o dia seguinte: uma excitação sexual surda e permanente, que nunca aumentava nem diminuía, nem exigia desenlace. Passou semanas a analisar este prazer inédito, mas não chegou a nenhuma conclusão. Suspeitava que Rui sabia deste prazer e o podia explicar, mas não conversaram sobre ele.

Num fim-de-semana em que tinham ido ao Teatro alla Scala para ver Cecilia Bartoli no papel de Cenerentola, sentaram-se numa esplanada da Galeria Vittorio Emanuele II a fim de comerem qualquer coisa antes do espectáculo. Era um dia quente de Junho, tinham ido com muita antecedência e o sol ainda ia alto. Foi este o momento que Rui escolheu para a inquirir, finalmente, sobre as três palavras que a convidara, meses antes, a considerar.

– Lembras-te delas?

– Lembro – disse Joana. – Servir, obedecer, sofrer.

– E…?

Joana virou a cara:

– Posso fazer isso por ti, se é o que tu queres.

– Já o tens feito – disse Rui.

Joana continuava com a cara virada para o lado.

– Ainda não sofri… – murmurou.

– Mas já me tens servido e obedecido, embora com  moderação. Diz-me: alguma vez tiveste prazer nisso?

Algumas vezes, mas Joana não o quis confessar. Baixou a cabeça, encolheu os ombros, e disse baixinho:

– Não sei…

– Não sabes. Hmmm… Diz-me outra coisa: daquelas três palavras-chave, qual achas que é a mais problemática?

– Não sei – respondeu Joana. – Ainda nenhuma foi problemática para mim.

Rui fez um gesto afirmativo com a cabeça, como que a reconhecer a pertinência da resposta.

– A mais problemática é obedecer – declarou. – É a que dá origem aos maiores mal-entendidos.

Joana sempre achara difícil obedecer a outra pessoa. Admirava-se da relativa facilidade com que obedecia a Rui, mas também era certo que ele nunca lhe pedira nada de difícil. O que ela não sabia era a que mal-entendidos se referia Rui.

– Pensa numa mulher – disse ele. – Numa mulher qualquer. Pensa que se trata duma pessoa com desejos muito fortes e fantasias sexuais muito definidas, mas com inibições e sentimentos de culpa que a impedem de as realizar. Imagina que ela começa a fantasiar com alguém que a obrigue a realizar esses desejos… alguém que lhe permita pensar que não tem culpa, que só está a obedecer, a ser obrigada… não lhe ocorre sequer que lhe possa ser ordenado algo que ela não deseje à partida. Supõe agora que esta mulher encontra um homem como eu, que espera dela obediência; e supõe que a certa altura ele lhe exige alguma coisa que ela nunca previu nem desejou, algo que para ela é doloroso, ou humilhante, ou embaraçoso, e não lhe dá qualquer prazer. E então recusa. Continua a fantasiar com situações em que é obrigada a obedecer, e tem-se sinceramente na conta de submissa; mas o homem pensa que ela está enganada e termina a relação. Qual dos dois achas tu que tem a melhor noção do que é obedecer?

– O homem, é claro – disse Joana.

E corou, porque Rui só uma vez lhe tinha pedido uma coisa que não correspondia a uma fantasia sua; e mesmo dessa vez tinha-lhe proporcionado um prazer cuja existência ela ignorava e que ainda agora não compreendia. Tanto quanto Joana sabia, a mulher hipotética descrita por Rui podia ser ela própria.

– Disseste que estavas disposta a obedecer-me se eu quisesse – disse Rui. – Vamos ver se é verdade: vai lá dentro aos lavabos e deita os sapatos para o lixo.

Joana estava arranjada para ir à ópera. O vestido, dum vermelho acobreado escuro, tinha sido comprado num costureiro da Via della Spiga, numa outra visita a Milão. Na bolsa de mão, minúscula, trazia os brincos, o anel e o colar que tencionava pôr quando estivesse em segurança no interior do teatro. Por ordem de Rui, não trazia calcinhas nem soutien: mas esta ordem não lhe custara a cumprir porque sabia que o vestido tinha sido concebido para ser usado sobre o corpo nu, coisa que ela nunca faria por sua própria iniciativa. Mas esta outra ordem era diferente: não a podia usar como pretexto para fazer o que queria e não ousava; pelo contrário, exigia dela que ousasse o que não queria. Tentou objectar:

– Mas… mas… vou descalça para a ópera?!

– Vais – respondeu Rui placidamente.

– E se não me deixarem entrar?

– Se houver algum problema, eu resolvo-o.

Para esta certeza, não tinha Joana resposta. Como último recurso, usou uma palavra que nunca lhe tinha sido proibida, mas que já lhe soava pouco lícita:

– Mas… mas porquê?!

Rui sorriu levemente antes de responder:

– Por duas razões: a primeira, como te disse, é testar a tua obediência. A segunda é que doravante os teus pés nus serão, aos teus olhos como aos meus, um sinal de humildade e respeito. Se isto não se harmonizar com o que sentes por mim, a minha recomendação é que recuses.

Joana não queria pensar, naquele momento, no que sentia por Rui. Sentia que estava numa encruzilhada: o que decidisse naquele momento determinaria muito do seu futuro, e do futuro dele.

Obedeceu. Na Galeria e na rua, ao atravessar para o teatro, sentiu-se embaraçada quase até à vertigem pelos olhares de curiosidade ou desdém que atraía. Ninguém lhe barrou a entrada no La Scala; e, depois de pôr as jóias, sentiu que atraía menos olhares dentro do teatro do que tinha atraído lá fora.

Isto talvez seja assim, pensou, porque esta gente que aqui está sabe muito bem ver quando um vestido é de luxo e uma jóia verdadeira.

Anúncios

Read Full Post »

Durante muito tempo vivi a minha orientação sexual de dominante sem a compartilhar com ninguém que não fossem aquelas mulheres, tão ingénuas como eu era, com quem me relacionei desta forma. Só quando descobri a Internet é que verifiquei que há muita gente a fazer muitas das perguntas que eu e elas fazíamos; e que há muita gente a encontrar, não só as mesmas respostas, mas respostas que nunca nos tinham ocorrido.

Uma questão que sempre se me pôs é a que dá o título a este artigo, por isso não me surpreendi quando a vi aparecer recorrentemente nos foruns e nos blogues. Quero referir-me em particular a duas mulheres que me disseram isto mesmo: “Eu quero ser a escrava perfeita.” (não estavam a falar em relação a mim.) Disseram-no as duas em contextos diferentes e com significados diferentes, mas em ambos os casos ficou subentendido o que elas não disseram explicitamente: “Eu quero encontrar o Senhor perfeito.”

Ora eu não acredito, nem em escravas perfeitas, nem em Senhores perfeitos; e isto pela simples razão que não acredito em seres humanos perfeitos. Acredito, sim, em relacionamentos perfeitos entre Senhor e escrava – relacionamentos estes cuja perfeição não só admite, como requer, a imperfeição de ambos. Não se pode aperfeiçoar o que já é perfeito, e para mim a perfeição num relacionamento consiste no aperfeiçoamento constante e perpétuo, quer do Senhor, quer da escrava.

Escravas perfeitas e Senhores perfeitos só existem na literatura. Na “História de O”, por exemplo: no início da narrativa, O é uma escrava imperfeita que tem um relacionamento imperfeito com um Senhor imperfeito, e no fim transformou-se na escrava perfeita que tem com um Senhor perfeito um relacionamento perfeito. Não quero dizer mal da “História de O”: pelo contrário, entendo que se trata de uma obra literária de primeiríssimo plano e do maior clássico da literatura erótica do século XX. Além disso é uma obra que transformou a minha vida e também, tenho a certeza, a vida de muitas outras pessoas. Mas isto não impede que seja uma obra de ficção, e o que é perfeito na ficção raramente é perfeito na vida.

A arte da narrativa tem grandes dificuldades. Entre elas conta-se a necessidade de adequar o enredo à caracterização das personagens, de fazer com que tanto um como a outra sejam plausíveis (pelo menos dentro das convenções da própria narrativa); e, se for uma obra extensa, um romance, a necessidade de fazer com que as personagens evoluam duma maneira consistente, quer com o enredo, quer com as suas características básicas. Nada disto é fácil, e tudo isto é conseguido brilhantemente na “História de O”. Podemos falar aqui de perfeição, mas é de perfeição literária que se trata. A perfeição do vivido é outra coisa.

No início da narrativa, O é uma escrava imperfeita. Há regras a que não consegue obedecer. Está proibida de olhar os Senhores nos olhos, mas fá-lo. Merece ser punida e é punida. No fim, contudo, já atingiu a perfeição. Já não merece ser punida. É claro que o continua a ser, mas é-o sem outra razão para além da vontade arbitrária do Senhor. A punição deixou de corresponder à necessidade ética de corrigir comportamentos e passou a corresponder à necessidade estética de exprimir a perfeição atingida.

Como é que se chega a esta perfeição? Primeiro, pelo treino; e logo a seguir pela exclusão deliberada de um factor de perturbação e complicação, que é o amor. Num dos momentos cruciais do romance, Sir Stephen diz a O: “Você confunde amor com obediência. Você obedecer-me-á sem me amar e sem que eu a ame.” Quando li esta frase pela primeira vez senti um misto de excitação e perturbação, e nunca mais deixei de reflectir sobre ela. Não é que não a tivesse compreendido: pelo contrário, compreendi muito bem o seu cabimento na lógica da narrativa. Mas a lógica da narrativa não é a lógica da vida, e muito menos a da vida que eu quero viver: nesta, o amor não é uma irrelevância, nem um obstáculo à perfeição, mas sim a própria perfeição.

Voltando à vida real e às minhas conhecidas a quem me referi acima: ambas relacionam, embora de maneira diferente, a noção de perfeição com a de castigo e com a de obediência. Uma sustenta que não pode ser castigada, pelo menos fisicamente, porque nada do que um dominante lhe faça está para além do que consegue suportar; a outra diz que uma escrava perfeita não pode ser castigada porque a sua vontade estará de tal maneira sintonizada com a do seu Senhor que a desobediência se torna impossível, e o castigo, consequentemente, desnecessário. A razão por que a noção de obediência desagrada a ambas é basicamente a mesma: num relacionamento entre um Senhor perfeito e uma escrava perfeita, a vontade de um coincide necessariamente com a do outro; logo, a escrava fará sempre de livre vontade tudo aquilo que o Senhor quer que ela faça; logo, o Senhor nunca precisará de invocar qualquer dever de obediência por parte da escrava.

Na vida real, esta perfeição, assim entendida, não me parece nem possível, nem desejável. Imaginemos que dois seres chegavam a este ponto: como poderíamos então distinguir entre o Senhor e a escrava? Numa relação destas faria tanto sentido dizer que ela era escrava dele como dizer que ele era escravo dela. Ambas as afirmações seriam verdadeiras; e ambas seriam falsas. Na “História de O”, a tentativa de excluir o amor acaba por falhar: O e Sir Stephen acabam por se amar. Mas esse amor não resulta numa vida em comum: atingida a perfeição, não têm mais para onde ir e o fim sugerido na história é a morte voluntária de O com a permissão do amante.

E no entanto eu desejo a perfeição. Não a perfeição narrativa, cuja lógica só pode desembocar na morte; mas a perfeição na vida, uma perfeição que tem em conta a humanidade, e portanto a imperfeição, quer do Senhor, quer da escrava. A perfeição neste relacionamento não depende duma impossível perfeição dos seus intervenientes, mas sim do seu lento, constante e infindável aperfeiçoamento. Neste relacionamento perfeito há lugar a castigos: o compromisso inicial pode cobrir todas as contingências futuras, mas estas não podem ser todas previstas e inevitavelmente chegará o dia em que a escrava sentirá: “eu não posso fazer isto, eu não quero fazer isto, eu não posso aguentar isto”. E há lugar a ordens dadas pelo Senhor e obedecidas pela escrava, porque chegará inevitavelmente o momento em que a vontade de um não coincidirá com a do outro; e o compromisso que assumiram é de que nestes casos a vontade do Senhor prevalece. E é neste momento – não nos momentos em que a obediência é tão fácil que nem é sentida como obediência, ou a punição tão fácil de suportar que nem é sentida como punição – que a perfeição do relacionamento se revela ou não. Não é perfeito o relacionamento em que a escrava obedece sempre porque quer sempre obedecer: perfeito, sim, é o relacionamento em que a escrava obedece mesmo quando não quer, e aceita sofrer mesmo o que não tem a certeza de suportar. A vida duma escrava não é fácil.

É esta uma das mensagens de Polly Peachum no ensaio “Violência no Jardim” que estou a traduzir e a publicar neste blogue. É a mensagem de alguém que tem a autoridade de ter vivido aquilo de que fala, a autoridade acrescida de ter reflectido profundamente sobre essa vivência, e a autoridade suprema de ter atingido na sua relação, sem ser ela própria perfeita, um grau de perfeição e exigência muito para lá do que a maioria de nós desejamos ou somos capazes.

Se a escravidão voluntária é um contrato em que uma das partes se compromete a que nunca mais seja tida em conta a sua vontade, é também um contrato em que as duas partes se obrigam a procurar juntas a perfeição, sabendo à partida que nunca a hão-de alcançar. Juntas, mas não exactamente lado a lado: o esforço do Senhor tem que ser um pouco maior; ele tem que ir um pouco mais à frente; porque pode falhar em muitas coisas, mas não no seu dever de guiar a escrava a bom porto. E isto também é difícil.

Read Full Post »

Work in Progress

Depois de acabar o conto “Alice” e de o inserir em penúltimo lugar nas “Histórias de Mariana”, o livro ficou quase pronto. É de longe o conto mais longo de toda a colecção (30 páginas no Word, que impressas em forma de livro devem equivaler a cerca do dobro). Trata-se portanto mais de uma novela do que de um conto. Para que certas personagens e peripécias batessem certo era preciso alterar outro conto, “A Vidraça”, que está publicado em blog na sua forma inicial mas não vai ser aqui publicado na forma definitiva.
Também tenho de mexer no último conto, “A Dança”, do qual existem de momento quatro versões: duas longas, publicadas em blog, uma curta, publicada também em blog, e outra, também curta mas muito semelhante a esta, que é a que está no livro. Vou ter que rever esta, tendo em conta por um lado a crítica de um leitor do blog que a considerou demasiado lacónica e sintética, e por outro a necessidade de a compatibilizar com “Alice”. Mas não se assustem, não vou publicar aqui a versão que resultar desta revisão, seria abusar da paciência dos meus leitores.
Em vez disso vou continuar a publicar em blog o romance “A Mercadora de Escravas” de M’Ahmed ben Chérif Effendi, do qual espero que estejam a gostar.
Abraços para todos.

Read Full Post »

close_collarAs condições da tua Escravidão

Pediste-Me que estabelecesse expressamente e por escrito as condições da tua Escravidão. Eis o que decidi:

1. Em princípio a tua Escravidão já é perfeita e não há nada a alterar n’Ela. Mesmo ao direito de deixar de ser escrava, que era o único que tinhas, quiseste renunciar. Cabe-te agora Amar, Servir, Obedecer e Sofrer enquanto tu e Eu formos vivos.

2. Na prática, contudo, ainda há muito que aperfeiçoar. Porque não te empenhas o suficiente; porque Me deixas em exclusivo o cuidado de te fazer escrava e não partilhas esse esforço, ainda há muitos dias em que não és mais escrava do que no anterior. Faltas assim ao teu dever e ao teu compromisso para coMigo.

3. Por vezes és insolente. Por vezes chegas a ser exigente. O teu corpo nem sempre obedece ao teu espírito. O teu Senhor compreende isto e não to leva a mal, mas precisamente porque compreendo é que exigirei de ti cada vez mais.

4. És escrava no teu espírito, que consente; és escrava no teu coração, que ama; és escrava no teu corpo, quando goza; mas ainda não aprendeste a ser cabalmente escrava no teu corpo, quando sofre.

5. Sei que não és masoquista e que a dor física não te dá prazer. Prefiro que assim seja: quando te provoco dor é para te castigar e não para te recompensar; ou então é para Meu prazer e não para o teu.

6. Quando aceitas com submissão a dor que te provoco, sei que estás a sofrer por Mim, e não para teu próprio gozo. É uma dádiva que Me fazes, e Eu tenho perfeita consciência de quão grande ela é.

7. Quando te castigo fisicamente estou a ser generoso. O castigo físico é o menos cruel dos castigos: faz sofrer naquele momento, mas rapidamente termina; as marcas que deixa são no corpo e duram pouco.

8. Por vezes tentas esquivar-te quando és castigada: é o teu corpo a desobedecer ao teu espírito. Isto é indigno de ti e do compromisso que assumiste coMigo. Como esperas obedecer ao teu Senhor se nem a ti mesma obedeces?

9. Quando te deixas amarrar tenho bem consciência do quanto estás a confiar em Mim. É essa confiança que exijo de ti: sei que não sou mau nem estúpido, que me sei controlar, e não te castigarei mais do que mereces e podes suportar.

10. Mas também não te castigarei menos do que mereceres e puderes suportar.

11. O teu Senhor sabe bem o quanto necessitas de ser amada. Mas não te permite que digas “quero ser amada”, porque nem nisso tens querer. O amor duma escrava aceita com gratidão a sua contrapartida, mas nunca a exige.

12. O mais que podes pedir, quando estás perdida de amor e necessitas absolutamente da atenção do teu Dono, é que Ele te possua. E Eu possuir-te-ei ou não, como entender, e permitir-te-ei ou não que tenhas prazer; e tu ficarás feliz porque é assim que deve ser.

13. Entre ser amada explicitamente e ser possuída vai uma enorme ausência repleta de Sofrimento. Por isso te chamo, com inteira propriedade, a Minha “escrava sofredora”, o que quer dizer que Me deves amar como se Eu não te amasse.

14. Se Eu te amo, raramente to direi, ou nunca. Preencherás tu própria este silêncio, dizendo-Me vezes sem conta, sem mentir nem ocultar seja o que for, tudo o que sentes por Mim: desde o amor até à raiva, desde a gratidão ao ressentimento. Apresentar-te-ás perante Mim tão nua de alma e sentimentos como de corpo. Permitirei assim que mitigues o Sofrimento que o Meu silêncio te possa provocar.

15. Também te imponho, frequentemente, o silêncio. Quero que estas ocasiões sejam para ti a oportunidade de dizeres sem palavras o que muitas vezes não pode ser dito através delas.

16. Às vezes ousas lembrar-Me que tens sentimentos. Eu sei que os tens, mas quero que manifestes os que exprimem a tua Escravidão antes de manifestares os outros.

17. Quando o Eu te perguntar se gostarias de alguma coisa, a tua resposta tenderá a ser “sim, se Tu mo ordenares”.

18. A tua Escravidão não é um jogo, nem uma brincadeira, nem uma fantasia, nem um teatro: é a tua condição de vida, a tua realidade assumida.

19. Quero que sejas feliz na tua Escravidão: obedece-Me também nisto. Não representes o papel de escrava: sê escrava.

20. Junto do teu Senhor estás em terreno sagrado: em Minha casa e no Meu automóvel estarás sempre descalça, esteja Eu presente ou não. Também estarás descalça em tua casa sempre que Eu estiver presente.

21. Na rua e noutros lugares ficarás descalça sempre que Eu to ordene, porque os teus pés nus são a Coleira de escrava que determinei para ti. Se a obediência a esta ordem te causar por vezes embaraço, humilhação ou vergonha, e se estes sentimentos te fizerem sofrer, aceitarás este Sofrimento de bom grado porque te vem de Mim.

(Nota: este texto é pura ficção, embora se modele num documento que a minha dunya me dirigiu há alguns anos. O carácter ficcional vem-lhe das alterações que lhe introduzi, desde logo a transformação de um texto em que a escrava se dirigia ao Senhor noutro em que o Senhor se dirige à escrava. Também aparecem nele mencionados sentimentos meus que na altura não manifestei; se eu algum dia, por algum improvável acaso, voltar a ter uma escrava a quem ame, não voltarei a cometer o erro de não o referir. E é ficcional, finalmente, porque o compromisso para toda a vida referido no original acabou por não se realizar.)

Read Full Post »

Autor: M’Ahmed ben Chérif Effendi
Tradução: Vanderdecken

Não muito longe da cidade de Herat, capital do Afeganistão, numa rua que reflecte os raios ardentes do Sol oriental, erguem-se as abóbadas de um extenso palácio árabe, cujas torres se elevam como picos nevados até ao céu azul profundo. Um enorme portão de madeira, com arabescos exóticos formados pelas cabeças negras e redondas de pregos de ferro que atestam a antiguidade do edifício constitui a entrada principal deste palácio encantador e magnífico. Uma pesada aldraba de cobre, cuja sonora batida reverbera nos espaçosos jardins por detrás do portão, desperta, na imobilidade da paisagem adormecida pelo calor, ecos surdos que se propagam lentamente. Mas de costume ninguém aparece por detrás destes muros opacos de fortaleza antiga, por trás destas pedras carcomidas pela idade; não se distingue nenhum som para além da campainha rouca na coleira do cão de guarda. E contudo move-se e vive nesta imponente construção todo um povo, e toda a pompa do mundo, todas as subtilezas do gosto, todas as fantasias da riqueza se acumulam no interior destes muros desbotados pelo Sol.

Estamos aqui em casa de Manoubia, antiga escrava dum Paxá em Constantinopla. Esta Manoubia, uma circassiana de sessenta e cinco a setenta anos, alta, seca de carnes, exibindo ainda as marcas duma antiga dignidade e distinção, tornara-se a esposa legítima e única herdeira dos bens do Paxá, e tinha comprado este conjunto de edifícios com a finalidade de abrir um negócio de escravos.

Todos os luxos, todos os confortos tinham sido aqui reunidos para poupar os clientes à impressão desconfortável de se encontrarem em casa de uma traficante de carne humana. E quem aqui entrasse teria que acreditar que fora transportado para um Reino de Fadas, para um dos Jardins do Amor do paraíso maometano. Nisto era Manoubia uma artista, conhecia todos os segredos da voluptuosidade, e na sua morada até o gosto mais blasé se contentava. Por todo o lado estavam espalhadas poltronas e divãs que com as suas almofadas macias convidavam aos abraços mais invulgares e lascivos. Um exército de camareiras, de eunucos com pele de ébano, de jovens rapazinhos com ricas librés multicolores executava as mais variadas tarefas e enfeitava os vastos jardins, que rescendiam a flor de laranjeira e a jasmim. Nas longas galerias ladeadas de colunas e revestidas com tapetes orientais multicolores, e nas salas enormes os grossos tapetes amorteciam os passos dos atarefados serviçais.

E cada passo nesta casa misteriosa, cada nova impressão é um novo encanto que nos atrai ao êxtase de um amor verdadeiramente livre, um amor sem obstáculos nem remorsos. Tudo aqui apela ao amor, tudo convida ao amor: assim está organizado o comércio de escravas da velha Manoubia, aquela que em tempos foi a esposa de um Paxá turco…

Para compreender a história que se segue são indispensáveis algumas observações sobre a disposição dos compartimentos e sobre o género de negócios da circassiana. Quem quer que seja que queira comprar um escravo ou uma escrava encontra aqui tudo o que possa desejar; há aqui mercadorias humanas para todos os gostos e para todos os preços: raparigas e rapazes de pele branca, morena, castanha ou negra, desde crianças de colo até aos dezoito anos no caso dos rapazes ou aos vinte e cinco no caso das raparigas.

O portal de entrada conduz a um átrio imenso e daí a um dos vários jardins rodeados de muros. Neste jardim encontram-se vários espaçosos pavilhões, cada um dos quais serve um dado propósito e que estão todos separados uns dos outros. Aqui, por exemplo, está o pavilhão das virgens, cuja condição intocada é garantida ao comprador que procura um casamento legítimo. Estas jovens, que recebem todas uma educação esmerada, estão divididas em duas classes: a primeira para os clientes mais distintos, a segunda para as pessoas vulgares. As da segunda classe estão habituadas às tarefas domésticas e conhecem-nas exaustivamente; as da primeira sabem cantar, tocar instrumentos e elaborar bordados artísticos como exige o gosto oriental. Mas a circassiana possui também jovens mulheres que fisicamente ainda são virgens, mas foram contudo treinadas em todas as artes do amor e conhecem os caminhos secretos que conduzem àquela delícia celestial que mergulha todo o seu ser numa loucura voluptuosa. Dos encontros com estas artistas do amor o corpo de um homem sai quebrado e exausto, mas o espírito continua insatisfeito e exige novas sensações. Estas jovens estão destinadas aos haréns dos Senhores ricos e poderosos para serem as Huris inventivas de Paxás concupiscentes e blasés.

Estas três categorias de mulheres são apresentadas ao comprador completamente vestidas, só o rosto e as mãos aparecem livres de véus. Mas os tecidos de seda que envolvem os corpos jovens e elegantes estão dispostos de uma forma tão artificiosa que deixam adivinhar tudo o que os olhos não vêem. As jovens dos primeiros dois grupos, as destinadas ao casamento, só são apresentadas ao comprador depois de este ter sido informado de todas as suas particularidades e qualidades; no caso do terceiro grupo esta explicação tem lugar na presença da própria.

Como se vê, nada disto está de acordo com a noção que muitos ocidentais têm sobre a maneira como se desenrola o comércio de escravos. Pensa-se geralmente que este comércio tem lugar em barracões semelhantes a estábulos, onde o vício e o impudor se tornam repelentes devido à sujidade e à miséria. Em todo o caso estamos aqui a dar conta de uma negociante invulgarmente requintada que sabe excluir do seu trabalho tudo o que possa haver de repugnante e oferecer aos seus clientes a possibilidade de fazerem a sua escolha com todo o sossego, em condições agradáveis e metodicamente. O trato em casa de Manoubia decorre do modo mais cortês, e a moralidade é respeitada, em circunstâncias normais, como no seio da família mais respeitável. A boa reputação de Manoubia espalha-se assim por toda a província, e tanto os grandes Senhores como o último dos camponeses recorrem a Manoubia quando querem fundar a sua felicidade doméstica. Além disso a solicitude de Manoubia não tem limites, como de resto a sua afabilidade, e em nenhuma parte da Europa se desempenha uma actividade deste género com mais tacto e delicadeza.

Finalmente há ainda um quarto grupo a mencionar entre as mercadorias de Manoubia: jovens raparigas e rapazes que já perderam a virgindade antes de Manoubia os ter comprado num qualquer grande harém ou de lhe terem sido enviados por uma dessas negociantes internacionais de pessoas que existem em todo o mundo. Estes são apresentados nus ao cliente, que os apalpa, testa e avalia, um pouco como se se tratasse de um negócio de cavalos.

E para fechar o último e mais numeroso grupo das habitantes da casa: estas são as prostitutas da casa, cuja tarefa é satisfazer todos os desejos dos compradores que vêm de longe ou por qualquer outra razão se hospedam em casa de Manoubia. Esta categoria é constituída por mulheres e rapazes, com os quais qualquer um se pode deleitar, e com os quais todos podem entregar-se às suas paixões favoritas sem vergonha e sem hesitação. As cópulas mais exóticas, as mais anti-naturais variedades da paixão dos sentidos, tudo é permitido a quem pode pagar. Para os amantes de raridades existe mesmo um gabinete onde são apresentados vários fenómenos, como mulheres gigantes, judias argelinas de duzentos a duzentos e cinquenta quilos, uma jovem russa com três seios, um negro monstruoso cujo membro viril tem, quando erecto, nada menos que trinta e cinco centímetros de comprimento, etc…

A casa de Manoubia vêm também homens sem intenção de comprar. Pessoas que apenas querem satisfazer a sua luxúria; muitos têm prazer, por exemplo, em observar mulheres a copular com cães, outros pedem que lhes mostrem homens a ter relações com burras, etc. Uma parte da casa encontra-se mais afastada: um hospital, no qual as escravas grávidas dão à luz e onde também são admitidas jovens livres para serem cuidadas enquanto esperam o parto, e isto gratuitamente na condição que deixem a criança ao estabelecimento. Um Kadi especial vive em casa da mercadora de escravas e está sempre pronto a registar as regras a seguir por Senhor e escrava e a redigir contratos de casamento. Também estão disponíveis escolas de canto, música, prendas domésticas, dança e bordado. Mas também escolas de luxúria, pois neste lugar cada pupilo é educado de acordo com as suas tendências e o seu temperamento. Se uma jovem dá mostras, por exemplo, de ter uma natureza envergonhada e pudica, esta particularidade é reforçada e encorajada através da educação que lhe é dada, para dar ao futuro esposo o prazer acrescido de a violar. Se pelo contrário a jovem for sensual e desavergonhada, então essa falta de vergonha é desenvolvida até à mais extrema obscenidade. Umas aprendem certas danças, outras educam as suas lindas vozes, numa palavra: cada talento é aqui desenvolvido com o maior cuidado e perícia até atingir toda a sua potencialidade. A cada escravo está atribuída uma pequena tábua em que se registam todas as suas particularidades e defeitos, e estas tábuas são entregues aos compradores antes que os objectos em causa lhe sejam apresentados.

Para entreter os clientes a casa possui Bayadères da Índia, dançarinas egípcias, gueixas japonesas, cantores turcos e malabaristas e faquires do Hindustão.

E sobre tudo isto reina sozinha, como uma déspota, a dona da casa. Governa com bondade e brandura as comensais de categoria mais alta, mas é exigente e mesmo cruel em relação a todas as outras. Dirige contudo o seu pequeno mundo com uma mestria e segurança que seriam dignas de um empreendimento mais convencional.

Nota do tradutor: Não se sabe se “M’Ahmed ben Chérif Effendi” é o nome verdadeiro do autor deste romance ou se é um pseudónimo, nem se sabe em que língua ele foi escrito originalmente. A primeira versão conhecida surge em 1908, em francês, com o título “La Marchande d’Esclaves”. Por não ter acesso a esta versão, traduzi a partir da versão “Die Sklavenhändlerin und ihre Liebesopfer” publicada em alemão em 1975.

(Publicado no Blogger a 26/04/08 )

Read Full Post »

Clara teve finalmente que admitir perante si própria que já não se sentia escrava de Lúcio. Mais do que isto: teve que admitir, o que de certa maneira foi ainda mais difícil, que Lúcio já não se sentia seu Senhor. Tornara-se dependente, possessivo e ciumento. Já não dispunha dela com a liberdade de outrora – uma liberdade esplêndida, insolente, que era quase uma displicência; em vez disto agarrava-se a ela com um amor timorato e inquieto.

Ela, por sua vez, sentia-se culpada: culpada de já não se sentir dele por mais que dissesse a si mesma que havia de o ser sempre. Cada vez mais se lembrava das palavras com que tinham selado, meses atrás, o seu pacto: «a tua única liberdade é deixares de ser minha escrava quando quiseres.» Muito bem; lindas palavras; mas para Clara o exercício desta liberdade, a mera admissão de que ela pudesse ser exercida, aparecia como uma traição e um fracasso.

E havia ainda Ricardo. Pensar em Ricardo, como Clara não se conseguia impedir de fazer, era outra deslealdade para com Lúcio. A maior traição, porém, a traição que Clara não perdoava a si própria, era o quadro que a sua imaginação lhe pintava com cada vez maior frequência – sempre inesperado, sempre súbito, sempre indesejado: ela própria aos pés de Ricardo em vez de aos de Lúcio: Ricardo, e não Lúcio, na posição de Senhor – um Senhor verdadeiro, mais atento, mais firme, mais seguro de si, mais exigente.

Culpada, portanto. Sabia-se culpada. Porque não via Lúcio que ela era culpada? Porque não a punia? Porque não se apoderava de novo dela, e a fazia sua, e lhe tirava da cabeça o pensamento indesejado de pertencer a outro?

A relação não terminou com um corte limpo nem repentino. Teve afastamentos e reconciliações, lágrimas, discussões, dias de felicidade quase perfeita. Durante um desses períodos de afastamento, Clara, sem saber se era livre ou não, começou a encontrar-se com Ricardo; e ao fim de alguns destes encontros teria sem dúvida chegado a ir para a cama com ele se ele se tivesse prestado a isso sem que estivessem perfeitamente definidos os seus direitos sobre ela.

– Não podes ter dois donos – disse ele no dia em que ela lhe ofereceu a boca num beijo.

Tão estranho é o coração humano que Lúcio, quando soube dos encontros entre Clara e Ricardo, se ressentiu mais desta infidelidade não consumada do que se teria ressentido da mais tórrida e apaixonada das ligações eróticas. Numa das últimas discussões que tiveram disse à amante, entre desencantado e furioso:

– Finalmente, não és minha escrava.

Clara ainda não estava preparada para admitir esta verdade. Foi buscar o chicote, disse a Lúcio que não a poupasse, e ele de facto não a poupou; mas no fim, perante as lágrimas dela e os vergões em carne viva que lhe cobriam o corpo, continuou a dizer:

– Não, Clara. Já não és a minha escrava.

Dias depois, durante a noite, quando ele tinha acabado de sair de dentro dela, ela murmurou, como tantas vezes antes, «sou tua».

– Pois se és minha – respondeu Lúcio – não te vais entregar ao Ricardo.

Clara não respondeu. Entregar-se a Ricardo era o seu maior desejo, e sobre isto não podia mentir. Além disso não tinha compreendido bem as palavras de Lúcio, que pareciam uma ameaça mas não tinham sido ditas em tom de ameaça. Só compreendeu quando ele continuou:

– Não te vais entregar a ele. Se não te pertences, não te podes entregar a ninguém. Quem te vai entregar ao Ricardo sou eu.

E sem mais palavras, surdo aos pedidos e às perguntas dela, levantou-se, vestiu-se a saiu. Nos dias que se seguiram, Clara não o encontrou nem em casa, nem nos lugares que ele costumava frequentar, e não conseguiu contactá-lo por meio nenhum. Durante este tempo todos os encontros que teve com Ricardo foram para falar de Lúcio, do estado de espírito de Lúcio, do medo que Clara tinha de que ele fizesse «alguma asneira».

Por fim foi Ricardo quem lhe disse:

– O Lúcio telefonou-me.

– Telefonou-te? A ti? Onde é que ele está?

– Está em Itália. Chega amanhã. Quer encontrar-se contigo e quer que eu esteja presente.

Clara ficou sem saber o que pensar. Ao fim de um longo silêncio, perguntou:

– E tu vais?

– Vou. E tu também. Vamos os dois. Mas esta noite dormes comigo.

Nessa noite, quando os corpos dos dois se uniram pela primeira vez, foi como se fossem amantes de longa data, reencontrados ao longo duma longa e penosa ausência. Amaram-se toda a noite com lágrimas e sorrisos, com denodo e temor, com violência e brandura. Mas nem por uma vez ele disse «és minha» ou ela disse «sou tua».

O encontro foi em casa de Lúcio, que os recebeu num compartimento mobilado como uma biblioteca. Convidou Ricardo a sentar-se numa poltrona e fez sinal a Clara que se sentasse no chão, como tantas vezes antes. Quando ela, corando, fez menção de se ajoelhar no seu lugar habitual em frente ao sofá, ele abanou a cabeça e indicou-lhe com o queixo o tapete à frente de Ricardo.

– Aceita um whisky? Um charuto?

– Com todo o gosto – respondeu Ricardo. – Mas só o whisky, por favor.

– Clara, queres servir-nos?

Clara, que já estava ruborizada, enrubesceu ainda mais ao ouvir esta frase que lhe pareceu cheia de segundos sentidos. Ao verter a bebida atrapalhou-se e deitou um pouco por fora de um dos copos. Poucos dias antes este lapso teria sido pretexto para um castigo severo, mas desta vez Lúcio limitou-se a dizer:

– Deixa estar, não faz mal. Depois a empregada limpa.

Parecia não estar com pressa: esperou que ela servisse os dois whiskies e se sentasse de novo no chão aos pés de Ricardo antes de perguntar:

– Diga-me, Ricardo, a Clara alguma vez lhe disse que me pertencia?

– Sim – respondeu Ricardo. – Várias vezes.

– Ah. E alguma vez lhe disse que tinha deixado de me pertencer?

– Não, nunca.

– Nem que lhe pertencia a si?

– Também não. Tanto quanto sei, a Clara considera-se propriedade sua.

Lúcio sorriu levemente.

– Nem nunca lhe disse que desejava ser sua?

– Os desejos da Clara – respondeu Ricardo, pausadamente – não contam.

Lúcio levantou-se do sofá e serviu-se doutro whisky.

– Da última vez que estive com a Clara – murmurou – disse-lhe que não queria que ela se entregasse a si. Queria ser eu a entregar-lha. Ela contou-lhe?

Ricardo assentiu com a cabeça e Lúcio continuou:

-Sabe, Ricardo? Há uma coisa sobre mim de que a Clara provavelmente nunca se deu conta. Não esteve comigo tempo suficiente para isso. Mas é importante que o saibam agora, ela e você.

Ricardo levantou uma sobrancelha e esperou polidamente que Lúcio prosseguisse.

– Sou um jogador, meu caro Ricardo Sempre o fui, desde que me conheço. Não por compulsão, nem por qualquer tendência auto-destrutiva. Pertenço à espécie rara dos que ganham mais do que perdem.

Ricardo inclinou um pouco a cabeça:

– Espécie rara, com efeito.

– Mas mesmo assim aprendi a perder – disse Lúcio, como se o não tivesse ouvido. E acrescentou, perdendo pela primeira vez um pouco da calma com que até então tinha conduzido a conversa:

– Aprendi a perder, e aprendi sobretudo a nunca jogar a feijões. Está-me a entender?

– Não – disse Ricardo. – Lamento, mas não estou a compreender aonde quer chegar.

Lúcio mostrava agora alguns sinais de agitação:

– Aonde quero chegar? Quero chegar aqui: sei que vou perder a Clara, se não a perdi já. Mas não quero que você a ganhe sem pagar um preço. Reflecti muito enquanto estive em Itália, e decidi isto: a Clara, nunca lha darei, mas vendo-lha. Se você a quiser e puder pagar, eu vendo-lha. Aceita?

Sentada no chão, Clara teve um sobressalto violento. Ter-se-ia levantado de repente se Ricardo, com um gesto imperioso, a não tivesse obrigado a ficar quieta.

– E já pensou no preço? – perguntou ele, serenamente.

Lúcio bebeu um trago de whisky e mencionou uma quantia que levou Clara a dar outro salto no lugar. Porquê isto? Lúcio era rico, bem mais rico que Ricardo. Nem precisava de dinheiro, nem era ganancioso: disto tinha Clara a certeza. E para Ricardo a quantia pedida era, sem ser ruinosa, significativa. Teria Lúcio tido em conta as circunstâncias do outro?

– Por esse preço não a quero – disse Ricardo, impassível. – Dou-lhe o dobro.

A estas palavras Lúcio ergueu o queixo.

– Peço-lhe que não me insulte. Pedi-lhe um preço por esta mulher, é esse preço que está em discussão.

– Tem razão – disse Ricardo. – Peço desculpa. Estou de acordo com o preço, naturalmente.

E sem mais palavras tirou do bolso o livro de cheques. Enquanto desenroscava a tampa da caneta virou-se para Clara:

– Descalça-te, Clara. Agora és propriedade minha.

Com as lágrimas a escorrer-lhe pelo rosto, Clara tirou os sapatos de salto muito alto com que Lúcio gostava de a ver e que tinha trazido calçados em homenagem a ele. Viu o cheque mudar de mãos. Aproximou-se de Ricardo, ajoelhou, beijou-lhe a mão.

À despedida, o sorriso que deu a Lúcio foi tanto de agradecimento como de compaixão. Os sapatos, deixou-os com ele.

(Publicado no Blogger a 08/09/07)

Read Full Post »

Estive a rever o filme. Nestas ocasiões é obrigatório dizer-se que o filme é muito inferior ao livro, e neste caso é verdade.


No filme, o amante de O, René, é simplesmente bonito demais. Faz beicinho. Pede, suplica, explica-se, justifica-se. Fica-se com a sensação de que O é que devia ser a Senhora dele, e não ele dela. O actor que faz de Sir Stephen é um canastrão: o seu domínio sobre O é demasiado histriónico para ser credível. Os homens em Roissy são vilões de opereta. Salvam-se Anne-Marie, Jeanne e Yvonne.

No filme foi eliminada uma personagem do livro: Natalie, a irmã mais nova de Jacqueline (Jaqueline é a modelo fotográfica que O acaba por conduzir a Roissy para se submeter ao mesmo treino que ela). A personagem foi suprimida porque tem quinze anos, e entre a data em que o livro foi escrito e a data em que o filme foi produzido tornou-se politicamente incorrecto uma jovem dessa idade pensar em sexo noutros termos que não sejam o da pura diversão – uma espécie de desporto radical – a praticar exclusivamente com miúdos da mesma idade.

No entanto Natalie é uma personagem importante. Não porque intervenha na acção – não intervém – mas porque observa tudo com um olhar inocente – isto é, um olhar sem preconceitos. Natalie legitima O porque não olha para ela politicamente, mas sim com os olhos dos sentimentos. É um olhar velho como o mundo e novo como a manhã.

E o mundo de Just Jaeckin (o realizador) tem glamour a mais. Do que eu menos gosto no filme, porém, é a cena final em que O apaga um charuto na mão de Sir Stephen. Porquê este gesto? Pela necessidade politicamente correcta de introduzir um factor de simetria na relação entre os dois? Mas isso é pôr tudo ao contrário: a beleza duma relação senhor-escrava está precisamente no equilíbrio radicalmente assimétrico que procura e às vezes alcança.

O livro, esse, é uma obra-prima. Um clássico, não só da literatura erótica, como da literatura em geral. Como assinala Jean Paulhan no prefácio, é um daqueles livros que mudam o leitor para sempre. Livros assim são da ordem da grande literatura.

Talvez um dia alguém faça um bom filme da História de O. O tema merece-o. Com um bom realizador, bons actores e sem concessões, quer ao politicamente correcto, quer à estética «glossy» das agências de modelos.

(Publicado no Blogger a 21/08/07)

Read Full Post »

Older Posts »